A pandemia do coronavírus reconfigurou os hábitos de comportamento de pessoas de todo o mundo. Agora, com o isolamento social da quarentena, o meio digital se tornou uma segunda casa para a população. É lá que todos trabalham, estudam e se divertem durante o tempo livre.

Em razão disso, o que já era tendência antes, se potencializou: o home office. Esse tipo de trabalho se dá com as operações a distância, flexibilizando o tempo dos colaboradores e dos clientes. As empresas que não se enquadram no que é definido por serviço essencial, estão agora funcionando com essa dinâmica.

Para que o home office funcione de forma satisfatória, as exigências são poucas, porém muito importantes. O acesso e comunicação entre a equipe e com o consumidor se dão por meio de uma infraestrutura de TI que, se não for sólida o bastante, pode prejudicar todo o trabalho que é feito.

Isso significa que se essa área da sua empresa não estiver bem planejada, segura e unificada, a estratégia de atendimento e suporte ao cliente não vai funcionar. Implementar softwares modernos e inovadores para oferecer a melhor experiência para o público-alvo coloca a sua instituição na frente diante do mercado.

Mas como deve ser a estrutura de TI da sua empresa para que o trabalho remoto funcione e como você pode se preparar? Confira aqui algumas dicas.

Estrutura para trabalho remoto

Pensar na infraestrutura é essencial antes de implementar o home office na empresa. Se o seu negócio já opera dessa forma, é importante conferir se o seu suporte tem acesso a todas as ferramentas necessárias para a resolução de problemas e para evitar que eles aconteçam.

Primeiramente, sua empresa deve buscar, de forma segura, uma estratégia para acesso às aplicações corporativas, como sistemas ERP e de fluxos de trabalho. Estes sistemas geralmente são legados, de arquitetura client-server. Para usuários que demandem acesso remoto a essas aplicações legadas, será necessário a utilização de sistemas de entrega de aplicação.

Demais aplicações, que já estejam disponíveis no modelo SaaS não necessitam de tecnologias de entrega remota pois já foram desenvolvidas para uso na cloud, utilizando http. Porém, o uso dessa tecnologia de entrega remota mesmo para aplicações SaaS pode reforçar a segurança de acesso, através do uso de tecnologias de autenticação de múltiplos fatores (MFA) como tokens e senhas de confirmação temporárias (OTP). 

Por fim, além de acesso às aplicações, seus funcionários podem necessitar de meios de comunicação remota, para videoconferências de alta qualidade pela Internet, que permitem realizar reuniões, compartilhamento de arquivos e telas, e facilitam o encontro e relacionamento com o cliente. Essas ferramentas também podem ser habilitadas para cloud, garantindo mais segurança para todos os envolvidos nas operações.

Além disso, deve fazer parte da infraestrutura para trabalho remoto a proteção contra os malwares. Afinal, a empresa não pode ter seus dados e informações expostos. Muitos funcionários acessam o sistema por meio de redes de Internet públicas, mas se você se planejar e analisar a vulnerabilidade a ataques, conseguirá oferecer uma estrutura segura.

Até hoje o firewall tem sido crucial nesse ponto porque é ele quem determina quais dados e operações podem ser realizadas e compartilhadas. Ele geralmente também é usado para estabelecimento de VPN – a rede privada virtual. 

Novas tecnologias 

Uma evolução do uso de firewalls e VPN, é o modelo de entrega de aplicação remota através da Nuvem. Um exemplo dessa nova geração de ferramentas é o Cloud Workspace da Matrix. Esta tecnologia é transparente para firewalls, não havendo necessidade de abrir portas que são suscetíveis a ciberataques. A tecnologia de nova geração também dispensa o uso de VPN, porque todas as sessões de usuários já são criptografadas em AES 256, mais forte que o TLS 1.2, utilizado nas VPNs.

Além da criptografia de sessão, informações sensíveis devem contemplar criptografia de dados. Isso ajuda a garantir a segurança dos dados de negócio da sua empresa. Seja ela síncrona – mais simples, que utiliza uma mesma chave para criptografar e descriptografar – ou assíncrona – mais complexa, que utiliza duas chaves diferentes, ela é essencial visto que as informações precisam ser autorizadas antes de compartilhadas.

O monitoramento constante também é essencial para evitar problemas com os sistemas instalados. A equipe de TI deve ter infraestrutura capaz de verificar atividades semelhantes a malwares, como varredura de rede ou solicitações suspeitas de POST, por exemplo. Se identificadas, eles devem ser removidas do sistema de rede.

Adicionalmente, a nova geração de ferramentas para acesso remoto à aplicações também conta com serviços de borda, capazes de derrubar automaticamente sessões de ataques DDoS, além de inspecionar solicitações da Web para bloquear ameaças, como injeções de SQL, XSS (cross-site scripting) e RFI (inclusão de arquivo remoto).Se você já tem toda a infraestrutura necessária para começar a aplicar o trabalho remoto na sua empresa, veja quais outros pontos devem fazer parte do planejamento do trabalho. O suporte ao home office da equipe deve ir além da estrutura física do trabalho.

Como se preparar para o Home Office

Mas não é só implementando ferramentas e plataformas que o trabalho remoto ficará viável. Planejamento é a chave para garantir a continuidade do modelo de home office. Uma das ações que deve ser feita é estimar a demanda de acessos e o fluxo que a rede receberá diariamente. Só assim a sua empresa estará preparada para montar uma infraestrutura que não fique sobrecarregada. A nova geração de ferramentas de acesso remoto à aplicações usa tecnologia de cache, geograficamente dispersa, que garante a performance de entrega de conteúdo, garantindo a melhor performance e menor latência de comunicação independe da região geográfica do usuário-final.

Além disso, é importante o investimento em ferramentas que ajudem a monitorar e gerenciar as atividades dos colaboradores. A nova geração de tecnologia para acesso remoto também permite a rastreabilidade das conexões remotas, provendo informação detalhada dos usuários, com base em eventos de segurança e consumo de banda, registro de identidade, e possíveis ameaças nas configurações de endpoints na rede domiciliar do funcionário. Sua empresa precisa estar preparada para essa nova forma de trabalho para que os prazos e compromissos continuem sendo atingidos, sem prejudicar os clientes.

Outro ponto que precisa ser considerado antes de adotar o trabalho remoto é a gestão de despesas. Afinal, para que toda a infraestrutura seja oferecida para todos os colaboradores que trabalharão em home office, os gastos precisam ser direcionados para os recursos e treinamentos necessários.

Capacitar a equipe de TI e os outros colaboradores é uma das melhores formas para se prevenir contra problemas como o ataque de hackers, por exemplo. Esse tipo de transtorno acontece, muitas vezes, por causa de pequenas falhas técnicas de segurança no meio digital, podendo ser evitados.

A educação dos colaboradores para o acesso de informações pelo sistema da empresa deve incluir também a prevenção a phishing, spam e malvertising. Além disso, a preparação para home office deve conter orientações sobre a importância do acesso a redes de Internet criptografadas em vez das redes públicas.

Se você pretende fazer sua empresa operar com trabalho remoto, nós oferecemos serviços de nuvem com tecnologias de nova geração, assegurando a mais alta segurança e performance,além de suporte 24/7. Confira a melhor forma para que o home office da sua empresa seja eficiente e você ofereça a melhor experiência para os consumidores.


Roberto Rozon
Diretor Comercial
Gostou? Compartilhe na sua rede social!